Atena Cursos - Invista no Futuro, Prepare-se com Qualidade!

Minha Conta

ENDEREÇO DE E-MAIL

SENHA

ENTRAR

0

MEU CARRINHO

Total R$ 0,00

IR PARA O CARRINHO

>
POR: 376,90

ou 12x de R$ 36,63 com juros

COMPRAR

Início cursos presenciais apostilas certificados

Curso Online de AEE 360 horas - Atendimento Educacional Especializado

Certificação: Certificado MEC  | 

CH: 360 horas

Prazo mínimo para conclusão: 35 dias

mais informações

Curso Online de AEE 360 horas - Atendimento Educacional Especializado

Certificação: Certificado MEC  | 

CH: 360 horas

Prazo mínimo para conclusão: 35 dias

mais informações

As combinações acima não possuem estoque.

por: R$ 376,90

ou por 12x de R$ 36,63 com juros

Quantidade

+

-

COMPRAR

+

Ver todos descontos

Ver outras formas de pagamento e parcelamento

Descrição do Produto

 

 

CURSO DE EXTENSÃO

 

1  IDENTIFICAÇÃO

1.1 TÍTULO:

Atendimento Educacional Especializado

 

1.2 LOCAL DE REALIZAÇÃO:

Ambiente Virtual de Aprendizagem da Atena Cursos

www.portaldecursoslivres.com.br

 

1.3 TIPOS DE CLIENTELA:

Profissionais e acadêmicos da Educação e saúde.

 

 

1.4 CARGAS HORÁRIAS DISPONÍVEIS

 

360 horas

 

 

1.5 COORDENAÇÃO

Coordenador: Denise de Castro Insaurriaga Silva

 

E-mail: [email protected]

 

Possui Currículo na Plataforma LATTES                 SIM(   x  )                   NÃO  (    )

 

 

1.6 INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS/TIPO DE PARTICIPAÇÃO

Faculdade Jangada/ chancela do Curso.

 

 

2 CURSO 

2.1 JUSTIFICATIVA

 

O Curso justifica-se pela necessidade permanente de atualização do conhecimento técnico inerente aos profissionais das diversas áreas da Educação e saúde.

Além disso, o Curso é um apoio aos docentes na aquisição de informações e instrumentos sobre a inclusão/tratamento do aluno/cliente com Altas Habilidades/ Superdotação no meio escolar/social.

 

2.2 OBJETIVOS

2.2.1 Objetivo geral

Oferecer material de qualidade para a atualização dos profissionais da educação e da saúde para que tenham subsídio para melhorar seus conhecimentos e sua prática profissional no convívio com pessoas que apresentem AH/SD.

 

2.2.2 Objetivos específicos

- Proporcionar atualização de qualidade ao material de trabalho aos profissionais/acadêmicos da Educação e da saúde;

- Contribuir para o acúmulo de horas de Curso de Atualização/Extensão para que os profissionais possam melhorar seu posicionamento em Concursos Públicos e remoções;

- Ofertar material de qualidade em Cursos de atualização profissional à distância.

 

 

2.3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

MÓDULO I

Introdução ao Atendimento Educacional Especializado (AEE).

A inclusão e a Diversidade, no Brasil histórico e aspectos legais;

Fundamentação e formação pedagogicamente do AEE como atendimento em Salas de Recursos e centros especializados em educação especial.

 

MÓDULO II

O ALUNO COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

Como posso trabalhar com o aluno surdo no AEE, possibilidades;

Atividades práticas para o aluno com deficiência auditiva;

O aluno surdo e seus conceitos;

Língua Brasileira de Sinais – Libras;

Introdução em libras.

 

MÓDULO III

O ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL

Entendendo o aluno com cegueira e as possibilidades em trabalhar com o aluno com: Deficiência Visual, Cegueira e Baixa Visão;

Usando a tecnologia como auxiliar ao aluno cego o uso de: Braille, Sorobã e Mecdaisy;

O aluno com Surdocegueira e Deficiências Múltiplas, características e possibilidades.

 

MÓDULO IV

O ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

Causas da Deficiência intelectual

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL X DOENÇA MENTAL

Orientações metodológicas

Fundamentos da Educação Inclusiva

Inclusão Escolar

Construção de estratégias para a Inclusão Escolar

Principais características das Escolas Inclusivas

Adaptações de pequeno e grande porte

INCLUSÃO DA CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

Sugestões de Jogos e brincadeiras

 

MÓDULO V

O ALUNO COM DEFICIÊNCIA FÍSICA

A importância da estimulação precoce para o desenvolvimento da pessoa com Deficiência Física.

Atendimento Educacional Especializado para o Deficiente Físico.

A atividade física como ferramenta para a inclusão sociocultural de pessoas com deficiência física.

Acessibilidade.

Atividades da vida diária.

Elaboração de material de apoio.

Práticas educacionais inclusivas e o cotidiano escolar do aluno com DF.

 

MÓDULO VI

O ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA

Definição de deficiência múltipla

Teoria das Múltiplas Inteligências de Gardner e as Implicações para o processo de e ensino/aprendizagem

Necessidades físicas e médicas da criança multideficiente

Processo de desenvolvimento e aprendizagem das crianças com Deficiências Múltiplas
Saberes e Práticas da Inclusão

Práticas educacionais inclusivas

Atendimento Educacional Especializado

Recursos de Acessibilidade na Educação Especial
Cartilha de Recursos Humanos e a Inclusão de pessoas com Deficiências.

 

MÓDULO VII

O ALUNO COM ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO

Estratégias de identificação do aluno com AH/SD

Práticas educacionais de atendimento ao aluno com AH/SD

Alternativas de Atendimento

Cuidados na implementação do programa

Mitos e verdades sobre AH/SD

O papel do professor junto ao aluno com Altas Habilidades e Superdotação

O aluno com Altas Habilidades/ Superdotação e o contexto escolar

Estratégias Educacionais Direcionados aos Alunos Superdotados

Sistemas de Intervenção na Sala de Aula Regular

Sistemas de Agrupamento Específico

Enriquecimento dos Conteúdos Curriculares

Enriquecimento do Contexto de Aprendizagem

Enriquecimento ExtraCurricular

Adolescentes com Altas Habilidades

Trabalhando na sala de Recurso com o aluno AH/SD

 

MÓDULO VIII

O ALUNO COM TGD

Contextualização Histórica sobre TGD e Educação Especial

Definições

Classificação

Profissionais envolvidos

O papel do professor

Características

Epidemiologia

Prejuízos neurocomportamentais

Conhecendo O Seu Aluno

Como Estudar Uma Criança?

Observação Direta

Aferição do Nível de Desenvolvimento

O Emprego de Técnicas de Estudo

Documento Individual de Adequações Curriculares

 

MÓDULO IX

O que é comunicação?

Comunicação Alternativa

Principais Sistemas de Comunicação

Tecnologia assistiva

Classificação em Categorias

O que é e o que não é Tecnologia Assistiva

Interdisciplinaridade e a organização de serviços em TA

Desenho Universal

Atendimento Educacional Especializado – AEE

Sala de Recursos Multifuncionais – SRMF

A Tecnologia Assistiva e a Sala de Recursos Multifuncionais

Quando introduzir a Comunicação Alternativa?

 

MÓDULO X

Sala de Recursos Multifuncionais – SRMF

A Tecnologia Assistiva e a Sala de Recursos Multifuncionais

Quando introduzir a Comunicação Alternativa?

As Tecnologias de acessibilidades e os Recursos Pedagógicos;

Os Sistemas de Comunicação Alternativa como modo de inclusão e possibilidades ao aluno especial;

Atividades sobre a motricidade, lateralidade, incluindo a psicomotricidade como forma de ampliar o desenvolvimento do aluno deficiente;

O papel do professor na sala de recurso e na inclusão no espaço escolar.

 

 

 

2.4 AVALIAÇÃO

As avaliações são feitas ao final de cada Módulo e contemplam de 10 a 20 perguntas de múltipla escolha.

Todos os alunos podem fazer a prova até 02 vezes a fim de alcançar a média final mínima necessária (70% de aproveitamento)

 

 

 

 

 

2.5 METODOLOGIA DE ENSINO

 

A duração mínima do Curso de 360 horas é de 48 dias a contar do 1º acesso ao AVA.

Os cursos estão divididos em módulos independentes, sendo que; ao final de cada Módulo, o aluno é submetido a uma avaliação de desempenho.

Os alunos têm acesso a textos, imagens, vídeos, áudios e avaliações que estão disponíveis 24 horas por dia no AVA.  Possuem disponíveis tutorias ilimitadas caso surja alguma dúvida conteudista. O prazo máximo para respaldo dos tutores é de 01 dia útil.

 

 

 

Referências Bibliográficas 01:

ALENCAR, E. M. L. S. O aluno superdotado na escola inclusiva. In: Moreira, L. C. ; T. Stoltz (Org.) Altas Habilidades/superdotação, talento, dotação e educação. Curitiba: Juruá, 2012, p. 85-94.

ALENCAR, E. M. L. S., BLUMEN-PARDO, S.; CASTELLANOS-SIMONS, D. Programs and practices for identifying and nurturing giftedness and talent in Latin American countries. In: Heller, K. A.; Mönks, F. J.; Sternberg, R.J.; Subotnik, R. F. (Eds.). International handbook of giftedness and talent, 2nd ed. Oxford: Elsevier Science,2000, p. 817-828.

ALENCAR, E. M. L.; VIRGOLIM, A. M. R. Dificuldades emocionais e sociais do superdotado. In: Alencar, E. M. L. S. Criatividade e educação dos superdotados. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001, p.174-205.

BAUM, S. Meeting the needs of learning disabled gifted students. Roeper Review, 7, p. 16-19, 1984.

_____. An enrichment program for gifted learning disabled students. Gifted Child Quartely, v. 1, n. 32, p. 226-230, 1988.

BAUM, S.; OWEN, S. V. High ability/learning disabled students: how are they different? Gifted Child Quartely, v. 3, n. 32, p. 321-326, 1988.

BAUM, S., OWEN, S. V.; DIXON, J. To be gifted & learning disabled: from identification to practical intervention strategies. Mansfield, CT: Creative Learning Press, 1991.

BERNAL, E. M. Multicultural assessment. In: Kerr, B. (Ed.).Encyclopedia of giftedness, creativity, and talent. vol. 2. Washington, DC: SAGE, 2009,p. 594-597.

BORLAND, J. H. IQ tests: Throwing out the bathwater, saving the baby. Roeper Review, n. 8, p. 163-167, 1986.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Portaria Ministerial nº 555. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf.Acesso em: 10 jun., 2008.

_____.Resolução nº 2. Institui as diretrizes da educação especial na educação básica. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica. Brasília, 2001.

 

BRASIL. Casa Civil. Subchefia de Assunto Jurídicos. Lei 12.711 de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível on-line em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12711.htm. Acesso em 06/12/2012.

_____. Casa Civil. Subchefia de Assunto Jurídicos. Decreto 8.724 de 11 de outubro de 2012. Regulamenta a Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012, que dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio. Disponível on-line em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Decreto/D7824.htm. Acesso em 06/12/2012.

Correia, Gilka Borges.O autoconceito de estudantes com altas habilidades/superdotação na vivência da adolescência / Gilka Borges Correia. –Curitiba, 2012.

_____. Programa de Educação Tutorial. Manual de Orientações. Brasília: MEC, 2006. Disponível on-line em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12228%3Aprograma-de-educacao-tutorial-pet&catid=232%3Apet-programa-de-educacaotutorial&Itemid=480. Acesso em: 09/04/2012.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível on-line em:<http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf.> Acesso em 09/04/2012.

CALLAHAN, C. M. Giftedness, definition. In: Kerr, B. (Ed.). Encyclopedia of giftedness, creativity, and talent. v. 1.Washington, DC: SAGE, 2009, p. 386-390.

CHAGAS, J. F. Adolescentes talentosos: Características individuais e familiares. Tese de doutorado. Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

CLARK, B. Growing up gifted: developing the potential of children at home and at school. New York: Macmillan Publishing Company, 1992.

COLANGELO, N.; DAVIS, G. A. (Eds.).Handbook of gifted education. 2nd ed. Needham Heights, MA: Allyn and Bacon, 1997.

Conselho Nacional de Educação & Câmara de Educação Básica (2001).

Parecer CNE/CEB nº 17/2001. Brasília: CNE/CEB.

Gotti, M.O. (Org.) (2004). Direito à educação: subsídios para a gestão dos sistemas educacionais: orientações gerais e marcos legais. Brasília: MEC/SEEP.

CUPERTINO, C. M. B. Um olhar para as altas habilidades: construindo caminhos. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, CENP/CAPE. São Paulo: FDE, 2008.

DAI, D. Y. Essential tensions surrounding the concept of giftedness. In:SHAVININA, L. V. (Ed.).International handbook on giftedness. Part One. Gatineau, Quebec: Springer, 2009, p. 39-80.

DAVIS, G. A. Gifted children and gifted education: a handbook for teachers and parents. Scottsdale, AZ: Great Potential Press, 2006.

DAVIS, G. A.; RIMM, S. B. Education of the gifted and talented. 3rd ed. Needham Heights, MA: Allyn and Bacon, 1994.

DELOU, C. M. C. Educação do aluno com altas habilidades/ superdotação: Legislação e Políticas Educacionais para a inclusão. In: FLEITH, D. S. (Org.).A construção de práticas educacionais para alunos com Altas habilidades/Superdotação. Vol. 1. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2007, p. 25-39.

DUTRA, C. P. Educação Inclusiva: tempo de transformação: Apresentação. In: Gotti,M. O. (Org.).Direito à Educação: subsídios para a gestão dos sistemas educacionais: orientações gerais e marcos legais. Brasília: MEC, SEESP, 2004.

DELPRETTO, B. Pessoas com altas habilidades/superdotação adultas: lembranças do processo de escolarização. Revista Contrapontos, (Eletrônica), Vol. 10 – n. 2 – p. 218-235 / mai-ago 2010.

_____. A pessoa com altas habilidades/superdotação adulta: análises do processo de escolarização com elementos da contemporaneidade. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. Santa Maria, 2009.

FREEMAN, J. ; GUENTHER, Z.C. Educando os mais capazes: ideias e ações comprovadas. São Paulo: EPU, 2000.

FREITAS, S. N.;VIEIRA, N. J. W. Procedimentos qualitativas na identificação das Altas Habilidades/Superdotação. In: BRANCHER, V. R.; FREITAS, S. N. Altas Habilidades/Superdotação: Conversas e Ensaios Acadêmicos. Jundiaí: Paco Editorial, 2011, p.49-67.

FREITAS, S. N.; PÉREZ, S. G. B. Altas Habilidades/superdotação: atendimento educacional especializado. Marília: ABPEE, 2012. 2º edição revisada e ampliada.

FELDHUSEN, J. F. Giftedness, talent, expertise, and creative achievement. In: Sternberg, R. J.; Davidson, J. E. (Eds.). Conceptions of giftedness. 2nd ed. New York: Cambridge University Press, 2005, p. 64-79.

FELDHUSEN, J. F., ASHER, J.W.; HOOVER, S.M. Problems in the identification of giftedness, talent, or ability. Gifted Child Quarterly, 28 (4), 149-151, 1984.

FELDHUSEN, J. F.; JARWAN, F. A. Identification of gifted and talented youth for educational programs. In: HELLER, K. A.; MÖNKS, F. J.; STERNBERG, R.J.; SUBOTNIK, R. F. (Eds.). International handbook of giftedness and talent. 2nd ed. Oxford: Elsevier Science, 2000, p. 271-282.

FLEITH, D. S.; ALENCAR, E. M. L. S. Superdotados: Trajetórias de desenvolvimento e realizações. Curitiba: Juruá, 2013.

FLEITH, D. S.; VIRGOLIM, A. M. R. Brazilian schools: Psychologists’ training course in gifted education. Gifted Education International, n. 13, p. 258-264, 1999.

FREEMAN, J. Permission to be gifted: how conceptions of giftedness can change lives. In: STERNBERG,R. J.; DAVIDSON, J. E. (Eds.).Conceptions of giftedness. 2nd ed. New York: Cambridge University Press, 2005, p. 80-97.

______. Cultural conceptions of gifted. In: KERR, B. (Ed.).Encyclopedia of giftedness, creativity, and talent. vol. 1. Washington, DC: SAGE, 2009. p. 227-229.

FREITAS, S. N.; PÉREZ, S.G.P.B. Altas habilidades/superdotação: atendimento especializado. Marília, SP: ABPPEE, 2010.

GALBRAITH, J.; DELISLE, J. The gifted kid’s survival guide: a teen handbook. Minneapolis, MN: Free Spirit Publishing, 1996.

GALLAGHER, J. J. The meaning and making of giftedness. In: COLANGELO, N.; DAVIS, G. A. (Eds.). Handbook of gifted education. 2nd ed. Needham Heights, MA: Allyn and Bacon, 1997, p. 27-42.

GALLAGHER, J. J.; GALLAGHER, S. A. Teaching the gifted child. 4th ed. Needham Heights, MA: Allyn and Bacon,1994.

GAMA, M.C.S. Educação de superdotados: teoria e prática. São Paulo: EPU, 2006.

GARDNER, H. Mentes extraordinárias: perfis de quatro pessoas excepcionais e um estudo sobre o extraordinário em cada um de nós. Trad. Gilson B. Soares. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

GARDNER, H.; KORNHABER, M. L.; WAKE, W. K. Inteligência: múltiplas perspectivas. Trad. M. A. V. Veronese. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

GOERTZEL; GOERTZEL. Cradles of eminence. Childhoods of more than 700 men and women. 2nd ed. with updates by T.G. Goertzel and Ariel Hansen. Scottsdale, AZ: Great Potential Press, 1962/2004.

GRANDIN, T. Asperger’s syndrome. In: Kerr, B. (Ed.).Encyclopedia of giftedness, creativity, and talent. vol. 1Washington, DC: SAGE, 2009, p. 62-63

GUBBINS, E. J. NRC/GT offers a snapshot of intelligence. The National Research Center on the Gifted and Talented, 1-2, 2005, winter.

GUNDERSON, C.W.; MAESCH, C.; REES, J.W. The gifted/learning disabled student. Gifted Child Quartely, 31 (4), 158-160, 1987.

GUENTHER, Z. C. Desenvolver capacidades e talentos: um conceito de inclusão.Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

GARDNER, H. Inteligência: um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

GARDNER, H.; FELDMAN, D. H. ; KRECHEVSKI, M. Projeto Spectrum: a Teoria das Inteligências Múltiplas na Educação Infantil – Utilizando as competências das crianças; V.1. Porto Alegre : Artmed, 2001.

HANY, E. A. Methodological problems and issues concerning identification. In: HELLER, K. A.; MÖNKS, F. J.; PASSOW, A. H. (Eds.). International handbook and development of giftedness and talent. Oxford: Pergamon Press, 1993, p. 209-232.


JOHNSEN, S. K. Identification. In: Kerr, B. (Ed.).Encyclopedia of giftedness, creativity, and talent. vol. 1Washington, DC: SAGE, 2009, p. 439-443.

KARNES, M.B.; JONHSON, L.J. Gifted handicapped. In: COLANGELO, N.; DAVIS, G.A. (Eds.).Handbook of gifted education. Boston: Allyn and Bacon, 1991, p. 428-437.


KERR, B. Developing talents in girls and young women. In: COLANGELO, N.; DAVIS, G.A. (Eds.).Handbook of gifted education. 2nd ed. Needham Heights, MA: Allyn; Bacon, 1997, p. 483-497.

LOVECKY, D. V. Different minds: gifted children with AD/HD, Asperger Syndrome, and other learning deficits. 3rd. ed. London, UK: Jessica Kingsley Publishers, 2005.


LUPART, J.L.; TOY, R.E. Twice exceptional: multiple pathways to success. In: SHAVININA, L. V. (Ed.).International handbook on giftedness. Part OneGatineau, Quebec: Springer, 2009,p. 507-525.

MACHADO, J. B.; RAPOSO, H. A. D. Superdotado: como identificar, desenvolver, integrar. Rio de Janeiro, RJ: Rotary Club,1989.
MAIA-PINTO, R. R; FLEITH, D. S. Percepção de professores sobre alunos superdotados. Estudos de Psicologia, v. 1., n. 19, p. 78-90, 2002.

Maia-Pinto, R.R. & Fleith, D.S. (2002). Percepção de professores sobre alunos superdotados. Estudos de Psicologia.

 

Maia-Pinto, R.R. (2002). Avaliação das práticas educacionais implementadas em um programa de atendimento a alunos superdotados e talentosos. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília, Brasília.

 

PASSOW, A. H. (Eds.). International handbook of research and development of giftedness and talent. Oxford: Pergamon Press, 1993,p. 253-281.

______. Giftedness in non-academic domains: The case of the visual arts and music. In: HELLER, K. A.; MÖNKS, F. J.; STERNBERG, R. J.; SUBOTNIK, R. F. (Eds.). International handbook of giftedness and talent. 2nd ed. Oxford: Elsevier Science, 2000, p. 95-110.

Mastiski, A. C. R. (2004). Políticas públicas de inclusão educacional: desafios e perspectivas. Educar em Revista, 23, 185-202.

Ministério da Educação (2001). Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica - Resolução nº 02 de 11 de setembro de 2001.

Ministério da Educação. (1995). Diretrizes gerais para o atendimento educacional aos alunos portadores de altas habilidades/superdotação e talentos. Brasília: Secretaria de Educação Especial.

 

Ministério da Educação. (2004). Censo Escolar. Brasília:

MEC/INEP/SEEC. Wide Web: http://www.inep.gov.br

Mittler, Peter. Educação inclusiva.contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003.


MOLTZEN, R. Talent development across life span. In:Shavinina, L. V. (Ed.).International handbook on giftedness. Part One. Gatineau, Quebec: Springer, 2009, p. 353-379.


MOON, S. M. Gifted children with attention-deficit / hyperactivity disorder. In: NEIHART, M.; REIS, S. M.; ROBINSON, N. M.; MOON, S. M. (Eds.).The social and emotional development of gifted children. Texas: Prufrock Press, 2002, p. 193-204.

MOREIRA, L. C.; STOLTZ, T. Altas habilidades/superdotação, talento, dotação e educação. Curitiba: Juruá, 2012.

MEIRIEU, P Aprender… sim, mas como? Porto Alegre: Artemed, 1998.

NOVAES, M. H. O desenvolvimento psicológico do superdotado. São Paulo, SP: Atlas,1979.

_____. Paradoxos contemporâneos. Rio de Janeiro: E-papers, 2008.

OLENCHAK, F. R.; REIS, S. M. Gifted students with learning disabilities. In: NEIHART, M.; REIS, S. M.; ROBINSON, N. M.; MOON, S. M. (Eds.).The social and emotional development of gifted children.Texas: Prufrock Press, 2002, p. 177-192.

OUROFINO, V. T. A. T. Altas habilidades e hiperatividade: a dupla-excepcionalidade. In: FLEITH, D. S.; ALENCAR, E. M. S. (Orgs.), Desenvolvimento de talentos e altas habilidades: orientação a pais e professores. Porto Alegre: Artmed, 2007, p. 51-66.

PFEIFFER, S. I. (Ed.)Handbook on giftedness in children: psychoeducational theory, research, and best practices. Springer-Verlag New York, LLC, 2008.

PHELPS, C. L. Girls, gifted. In: Kerr, B. (Ed.).Encyclopedia of giftedness, creativity, and talent. vol. 1.Washington, DC: SAGE, 2009, p. 393-397.

PISKE, F. H. R.; STOLTZ, T. Criatividade na escola: a necessidade de reavaliar as práticas educacionais aos alunos superdotados. In:PISKE, F. H. R.; BAHIA, S. (Org.). Criatividade na escola: odesenvolvimento de potencialidades, altas habilidades/superdotação (AH/SD) e talentos. Curitiba: Juruá, 2013, p. 141-157.

PÉREZ, S. G. P. B. Ser ou não ser, eis a questão: o processo de construção da identidade na pessoa com altas habilidades/superdotação adulta. Tese de Doutorado: Porto Alegre, 2008.

PÉREZ, S. G. P. B.; FREITAS, S. N. Mulher com altas habilidades/superdotação: à procura de uma identidade. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, v. 18, n. 4, p. 677-694, Out.-Dez., 2012. Disponível on-line em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-65382012000400010&script=sci_arttext. Acesso em 16/06/2013.

PLUCKER, J. Intelligence theories on gifted education. Roeper Review, Bloomfield Hills, MI, v. 22, n. 3, p. 124-125, 2001.

RENZULLI, J.; SMITH,L.H.; WHITE, A. J.; CALLAHAN, C.M.; HARTMAN, R.K.; WESTBERG, K.L. Escalas de Renzulli (SCRBSS): escalas para la valoración de las características de comportamiento de los estudiantes superiores. Salamanca, Espanha: Amarú, 2001.

RENZULLI, J. O que é esta coisa chamada superdotação e como a desenvolvemos? Uma retrospectiva de vinte e cinco anos. Educação, Porto Alegre, RS, n.1(52), 2004, p. 75-131.

_____. The three-ring conception of giftedness: a developmental model for creative productivity. In: RENZULLI, J.S. ; REIS S. The triad reader. Connecticut: Creative Learning Press, 1986.

REILLY, R. C. Expertise. In: Kerr, B. (Ed.).Encyclopedia of giftedness, creativity, and talent. v. 1. Washington, DC: SAGE, 2009, p. 342-343.

RENZULLI, J. S. What makes giftedness? Reexamining a definition. Phi Delta Kappan, v. 3. n. 60 , p. 180-184, 1978.

______. The three-ring conception of giftedness: a developmental model for creative productivity. In: RENZULLI, J. S.; REIS, S. M. (Eds.).The triad reader. Mansfield Center, CT: Creative Learning Press, 1986, p. 2-19.

______. Revolving Door identification Model. In: Kerr, B. (Ed.).Encyclopedia of giftedness, creativity, and talent. v. 2. Washington, DC: SAGE, 2009, p. 736-740.
RENZULLI, J. S.; REIS, S. M. The schoolwide enrichment model: a how-to guide for educational excellence. 2nded. Mansfield Center, CT: Creative Learning Press, 1997.

______. The schoolwide enrichment model. In:HELLER, K. A.; MÖNKS, F. J.; STERNBERG, R.J.; SUBOTNIK, R. F. (Eds.). International handbook of giftedness and talent. 2nd ed. Oxford: Elsevier Science, 2000,p. 367-382.

RICHERT, E. S. Rampant problems and promising practices in the identification of disadvantaged gifted students. Gifted Child Quarterly, v. 4, n. 31, p. 149-154, 1987.

______. Excellence with equity in identification and programming. In: COLANGELO,N.; DAVIS,G. A. (Eds.).Handbook of gifted education. 2nd ed. Boston: Allyn&Bacon, 1997, p. 75-88.

RIMM, S.B. Underachievement and superachievement: flip slides of the same psychological coin. In: COLANGELO, N.; DAVIS, G. A. (Eds.).Handbook of gifted education. Boston: Allyn and Bacon,1991,p. 328-343.

ROBINSON, N. M. Individual differences in gifted students attributions for academic performances. In: NEIHART, M.; REIS, S. M.; ROBINSON, N. M.; MOON, S. M. (Eds.).The social and emotional development of gifted children. Texas: Prufrock Press, 2002,p. 61-70.

SABATELLA, M. L. P. Talento e superdotação: problema ou solução?Curitiba, PR: Ibpex, 2005.

SCHNEIDER, W. Giftedness, expertise, and (exceptional) performance: a developmental perspective. In: HELLER, K. A.; MÖNKS, F. J.; STERNBERG, R.J.; SUBOTNIK, R. F. (Eds.).International handbook of giftedness and talent. 2nd ed. Oxford: Elsevier Science, 2000, p. 165-177.

SILVERMAN, L. K. Counseling needs and programs for the gifted. In: HELLER, K. A.; MÖNKS, F. J.; PASSOW, A. H.(Eds.).International handbook of research and development of giftedness and talent. Oxford: Pergamon Press, 1993, p. 631-647.

UFSM. Resolução 011/07. Institui o programa de ações afirmativas de inclusão social e racial. Santa Maria: UFSM, 2007.

______. Giftedness 101. In: J. C. Kaufman (Series Editor).The Psych 101 Series (Kindle Edition). NY: Sprienger, 2013.

STERNBERG, R. J. Procedures for identifying intellectual potential in the gifted: a perspective on alternative “metaphors of mind”. In: HELLER, K. A., MÖNKS, F. J.; PASSOW, A. H. (Orgs.). International handbook and development of giftedness and talent. Oxford: Pergamon, 1993, p. 185-207.

______. Successful intelligence: how practical and creative intelligence determine success in life. New York: Simon and Schuster, 1996.

TANNEMBAUM, A. J. Gifted children: psychological and educational perspectives. New York: Macmillan Publishing Co, 1983.

______. The meaning and making of giftedness. In: COLANGELO, N.; DAVIS, G. A. (Eds.).Handbook of gifted education. 2nd ed. Needham Heights, MA: Allyn and Bacon, 1997, p. 27-42.

UNESCO & Ministério da Educação e Ciência da Espanha (1994).

Declaração de Salamanca e linhas de ação sobre necessidades educativas especiais : acesso e qualidade. Brasília:

CORDE.

UNESCO (1993, julho). Declaração e Programa de Ação de Viena. Documento elaborado na Conferência Mundial sobre os Direitos Humanos de Viena.

VANTASSEL-BASKA, J. Excellence in educating gifted and talented learners. 3rd ed. Denver: Love Publishing Company, 1998.

VIRGOLIM, A. M. R. O indivíduo superdotado: História, concepção e identificação. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 1, n, 13, p. 173-183, 1997.

VIRGOLIM, A. M. R. Creativity and intelligence: A study of Brazilian gifted and talented students. Tese de doutorado. University of Connecticut, Mansfield, CT. USA, 2005.

______. (Org.) Talento Criativo: expressão em múltiplos contextos. Brasília: UnB, 2007a.

______. Altas Habilidades e Desenvolvimento Intelectual. In: FLEITH, D. S.; ALENCAR, E. M.
L. S. (Orgs.).Desenvolvimento de Talentos e Altas Habilidades. Orientação a pais e professores.Porto Alegre: Artmed, 2007b, p.25-40.

WEBB, J.T., AMEND, E.R., WEBB, N.E., GOERSS, J., BELJAN, P.; OLENCHAK, F.R. Misdiagnosis and dual diagnosis of gifted children and adults: ADHD, Bipolar, OCD, Asperger’s, Depression, and other disorders. Scottsdale, AZ: Great Potential Press, 2005.

VIEIRA, N. J. W. Identificação das altas habilidades em crianças de três a seis anos: a busca de uma proposta integradora. Projeto de Tese (Doutorado em Educação), Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

_____. Inteligências múltiplas e altas habilidades: uma proposta integradora para a identificação da superdotação. Revista Linhas, V. 06, Nº02, 2005a. Disponível on-line em: http://www.periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1270. Acesso em 11/04/2012.

_____. Identificação das altas habilidades em crianças de três a seis anos: a busca de uma proposta integradora. Projeto de Tese (Doutorado em Educação), Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005b.

WINNER, E.; MARTINO, G. Giftedness in visual arts and music. In: HELLER, K. A.; MÖNKS, F. J.;

YEWCHUK, C.R.; LUPART, J.L. Gifted handicapped: a desultory duality. In:HELLER, K. A.; MÖNKS, F. J.; PASSOW, A. H. (Eds.).International handbook of research and development of giftedness and talent. Oxford: Pergamon Press, 1993, p. 709-725.

 

 

Referências Bibliográficas 02:

- Aimard, P. (1986). A linguagem da criança. Porto Alegre: Artes Médicas.

- ALMEIDA, M. A., MACHADO, M. H. P.& LAMÔNICA, D. A. C (2005). Adaptações do sistema de comunicação por troca de figuras no contexto escolar. Pró-Fono R. Atual. cient. vol.17, Nº2, Barueri. In http://www.scielo.br/. Visualizado a 12 de Dezembro de 2013. 

- ARGYLE, M. A interação social: relações interpessoais e comportamento social. [tradução de Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes]. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

- BASTOS, Maria Inês de Souza Ribeiro. Inclusão digital e social de pessoas com deficiência: textos de referência para monitores de telecentros. Brasília, DF: UNESCO, 2007.

- Bates, E. (1976). Language and context: The acquisition of pragmatics. New York, NY: Academic Press.

- Bersch, R.; Schirmer, C. R. (2005). Tecnologia Assistiva no Processo Educacional. Em Ensaios Pedagógicos Construindo Escolas Inclusivas. (pp.87-92).Brasília. Distrito Federal: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial.

- BERSCH, Rita. Tecnologia assistiva. [S.l.]. Disponível em: .

- BLOOM, L. Of continuity and descontinuity and the magic of language development. In: GOLINKOFF, R.M. (ed). The Transition from Prelinguistic to Linguistc. New Jersey: L. E. A., 1983.

- Bondy, A. & Frost, L. PECS: The Picture Exchange Communication System. Cherry Hill, NJ: Pyramid Educational Consultants, Inc., 1994.

- BOONE, D. R.; PLANTE, E. Comunicação Humana e Seus Distúrbios. [tradução de Sandra Costa]. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

- Brown, A. L. (1978). Saber quando, onde e como para lembrar: um problema de metacognição. In R. Glaser(Ed.), Advances in instructional psychology (Vol I). New York: Lawrence Erlbaum Associates.

- Camaioni, L. (1980).  Interação entre crianças. Roma: Armando Armando.

- CAPOVILLA, F.C. ; MACEDO, E.C. ;DUDUCHI, M. ;CAPOVILLA, A. G.S.; THIERS, V. O. Sistemas de Comunicação Alternativa e Suplementar: Princípios de Engenharia e Design - Revista Distúrbios de Comunicação. EDUC, São Paulo, 1998.

- CAPOVILLA, F. C. Comunicação Alternativa: Modelos teóricos e tecnológicos, filosofia educacional e prática clínica. In: K. Carrara (org). Educação, Universidade e Pesquisa. Marília: Unesp-Marília-Publicações, São Paulo: Fapesp, 2001.

- CAPOVILLA, F. C. et al Home use of a computerized pictographic-syllabic-vocalic AAC system in cerebral palsy: preliminary data. Proceedings of the VII Biennial Conference of the International Society for Augmentative and Alternative Communication. Vancouver, Canada, 1996.

- CHUN, R. Y . O desenvolvimento da comunicação não-verbal através dos símbolos Bliss em indivíduo não falante portador de paralisia cerebral - Distúrbios da Comunicação, 4: 121-136, São Paulo, outubro, 1991.

- FIGUEIRA, Rosa Attié. 1996. O Erro como dado de Eleição nos Estudos de Aquisição da Linguagem. In: Maria Fausta P. Castro (Org.). O Método e o Dado nos Estudos da Linguagem. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

- FINNIE, NR. (2000) O manuseio em casa da criança com Paralisia Cerebral. 3ª edição. Brasil Manole.

- FRANCHI, Carlos. 1977. Linguagem – Atividade Constitutiva. Almanaque – Cadernos de Literatura e Ensaio. São Paulo: Brasiliense: 9-27.

- FROST,L. & BONDY,A The picture exchange communication system (PECS) Training manual. Pyramid Education Consltants, 1996.

- GALVÃO FILHO, Teófilo. A Tecnologia Assistiva: de que se trata? In: MACHADO, G. J. C.; SOBRAL, M. N. (Orgs.). Conexões: educação, comunicação, inclusão e interculturalidade. 1 ed. Porto Alegre: Redes Editora, p. 207-235, 2009. (disponível em: )

- GALVÃO FILHO, Teófilo. Tecnologia Assistiva para uma Escola Inclusiva: apropriação, demandas e perspectivas. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009. (disponível em: )

- GILL, N.B. Comunicação através de símbolos: Abordagem clínica baseada em diversos estudos - Temas sobre Desenvolvimento, 6: 34, 1997.

- HEHNER, B. Blissymbols for use. Toronto, Canada. Bilssymboolics Communication Institute, 1980.

- JOHNSON, R. M. Guia dos Símbolos de Comunicação Pictórica - Picture Communication Symbols. Editado por CLIK- Recursos tecnológicos para a educação, Porto Alegre, 1998.

- JOHNSON, R. M. The picture communication symbols. Book II. Solana Beach, CA, Mayer Johnson, 1992.

- KNAPP, M. L.; HALL, J. A. Comunicação não-verbal na interação humana. São Paulo: JSN Editora, 1999.

- Lima, C. e Ferreira, L. (2004) Paralisia Cerebral: Neurologia, Ortopedia, Reabilitação. Guanabara Koogan. Brasil.

- LIMONGI, S.C.O. Paralisia cerebral: linguagem e cognição. Pró-fono. Carapicuíba, 1995. 

- LIMONGI, S.C.O. A Construção da linguagem na criança paralítica cerebral. In: ______. Paralisia cerebral: processo terapêutico em linguagem e cognição: (pontos de vista e abrangência). São Paulo: Pró-Fono, p. 119-142, 2000.

- LURIA, A. R. Curso de Psicologia Geral: Introdução Evolucionista à Psicologia. Tradução Paulo B. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

- MANZINI, E, J. Conceitos básicos em comunicação alternativa e suplementar. In: K. Carrara (org). Educação, Universidade e Pesquisa. Marília: Unesp-Marília-Publicações, São Paulo: Fapesp, 2001.

- MAHARAJ, S. Pictogram ideogram communication. Regina-Canada:The George Reed Foundation for the Handicapped, 1980.

- McNAUGHTON, S. Communication with Blissymbolics. Toronto, Canadá: Blissymbolis Communication Institute, 1985.

- MOREIRA, Eliana C. & CHUN, Regina Y. S. Comunicação Suplementar e/ou

Alternativa – ampliando possibilidades de indivíduos sem fala funcional. In: LACERDA, Cristina B. & PANHOCA, Ivone. (Org). Tempo de Fonoaudiologia. Taubaté/SP: Cabral Editora Universitária Ltda, 1997.

- NUNES, L. R. d’O. de P. A comunicação alternativa para portadores de distúrbios da fala e da comunicação. In: MARQUEZINE; M.C.; ALMEIDA, M.A.; TANAKA, E. D. O. (Orgs.). Perspectivas multidisciplinares em Educação Especial II. Londrina: EDUEL, 2001.

- NUNES, L. R. O de P. Modelos teóricos na comunicação alternativa e ampliada. In: NUNES, L. R. d’O de P. (Orgs.). Comunicação alternativa – favorecendo o desenvolvimento da comunicação em crianças e jovens com necessidades educativas especiais. Rio de Janeiro: Dunya, 2003.

- OMOTE, S. A concepção de deficiência e a formação do profissional em educação especial. In: MARQUEZINE, M.C.; ALMEIDA, M.A; TANAKA, E.D.O. (Org). Perspectivas Multidisciplinares em Educação Especial II, Londrina: Ed. UEL, 2001.

- PEREIRA, A., SOUSA, A., VIEIRA, A., SILVA, A., TEIXEIRA, E., DIAS, F., SILVA, I., MELO, M., LEÃO, P., GOUVEIA, P. & SILVA, S. (2008). (Vi) Ver o Teu Mundo (Grupo Tutorial 4 do 2º ano da Licenciatura de Terapia Ocupacional da Escola Superior de Tecnologias da Saúde do Porto, através de http://conheceroautismo.blogspot.com/2009/01/comunicao-e-as-tecnologias.html

- PEDROSA S. (2006). PECS Picture Exchange Communication System (Sistema de Comunicação por Troca de Imagens). In www.appda-lisboa.org.pt/. Visualizado a 29 de Dezembro de 2009.

- PETER, M.; BARNES, R. Signs, Symbols and Schools, 1982.

- PUPO, DEISE TALLARICO; MELO, AMANDA MEINCKE; PÉREZ FERRÉS, SOFIA. Acessibilidade: discurso e prática no cotidiano das bibliotecas. São Paulo, SP: UNICAMP, 2008.

- REILY, L. Sistemas de Comunicação suplementar e alternativa. In: REILY, L. Escola Inclusiva: Linguagem e mediação. Campinas: Papirus, 2004. (Série Educação Especial).

- SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. São Paulo: Editora Cultrix, 1970. (Org. Charles Bally e Albert Sechehaye).

- SOARES, R. S. (2006). Usar métodos Alternativos e Aumentativos da comunicação. In http://apacdah.no.sapo.pt/. Visualizado a 29 de Dezembro de 2009. 

- THIERS, V. de O. Comunicação alternativa em paralisia cerebral: avaliação de iconicidade de símbolos picto-ideográficos e de variáveis de controle de busca a símbolos Bliss em tabuleiros de comunicação. São Paulo: USP, 1995. Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Experimental. (Dissertação de Mestrado).

- Van Riper, C. e Emerick, L. (1997) Correção de Linguagem: uma introdução à patologia da fala e à audiologia. Trad. de Marcos A. G. Domingues. 8 ed. Porto Alegre: Artes Médicas.

- VON TETZCHENER, S.V. Comunicação aumentativa e alternativa: avaliação e intevenção  - uma abordagem funcional. 1997.

- VON TETZCHNER, S.; JENSEN, M.H. Comunicação aumentativa e alternativa. European perspective. London, UK, Whurr Publishers Ltda, 1996.

- VON TETZCHNER, S.; MARTINSEN, H. Introdução à comunicação aumentativa e alternativa. Portugal: Porto Editora, 2000.

 

 

 

Sites consultados:

 http://www.revistaautismo.com.br/edicao-2/o-que-e-pecs

 http://www.abads.org.br/view_materia.php?i=498

 http://www.universoautista.com.br/autismo/modules/works/item.php?id=14

http://m.g1.globo.com/fantastico/quadros/autismo-universo-particular/noticia/2013/08/conheca-metodos-mais-utilizados-no-tratamento-de-pessoas-com-autismo.html?hash=2

http://osreformados.com/index.php?topic=88298.0

http://www.profala.com/artpc5.htm

http://www.bengalalegal.com/

http://www.assistiva.com.br/

http://www.comunicacaoalternativa.com.br/

http://omundodacomunicacao.blogspot.com.br/2009/05/sistema-bliss.html

http://meunomenai.com/tag/comunicacao-alternativa-sistema-pictografico-de-comunicacao/

http://crescercomunicando.blogspot.com.br/2011/05/sistema-pic-pictogram-ideogram.html

 

 

PRODUTOS RELACIONADOS

Produtos Relacionados

Curso Online de Tecnologias Assistivas 120 horas

Certificado por IES credenciada ao MEC

100% online

R$ 166,90

Curso Online de Comunicação Alternativa 120 horas

Certificado por IES credenciada ao MEC

100% online

R$ 166,90

Curso Online de TGD 360 horas

Certificado por IES credenciada ao MEC

100% online

R$ 376,90

Curso Online de Síndrome de Asperger 120 horas

Certificado por IES credenciada ao MEC

100% online

R$ 166,90

Curso Online de Síndrome de Rett 120 horas

Certificado por IES credenciada ao MEC

100% online

R$ 166,90